domingo, 23 de janeiro de 2022

Em sete anos, conta de luz sobe mais que o dobro da inflação


 Desde 2015, a conta de luz dos brasileiros subiu mais que o dobro da inflação. Dados da Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia) revelam que a tarifa residencial acumula alta de 114%, ante os 48% de inflação no mesmo período, uma diferença de 137%.

Os últimos anos têm sido marcados não só pelas correções anuais nas tarifas, mas também pela criação de encargos e custos diretamente repassados para os consumidores.

O aumento nos últimos anos resulta do crescimento de encargos e subsídios (desconto a um setor ou um grupo, com custo dividido com os demais), da necessidade de usar termoelétricas, que geram energia mais cara, e do modelo de contratação de energia.

Responsável pelo levantamento, o vice-presidente de energia da Abraceel, Alexandre Lopes, ressalta que, em momentos de falta de chuva, como em 2021, o custo tende a aumentar, principalmente, para os consumidores residenciais. O impacto para os que atuam no mercado livre, em que a energia é negociada diretamente com as geradoras, é menor. Nos últimos sete anos, os preços nesse ambiente oscilaram 25% abaixo da inflação.

“Temos custos de 2021 ainda não repassados para as tarifas. Então, devemos ter um aumento acima da inflação em 2022. Quando o novo empréstimo ao setor elétrico começar a ser pago, impactará ainda mais as tarifas. Então, parte desses custos da crise será neste ano, e outras parcelas, nos próximos anos”, afirmou Lopes.

O levantamento considera os dados desde 2015, no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, logo após o Tesouro Nacional interromper repasses bilionários para a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), fundo setorial cujos recursos são rateados entre todos os consumidores para bancar subsídios para algumas categorias. De acordo com o ex-diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) Edvaldo Santana, o corte levou a um “tarifaço” de 25% em fevereiro de 2015, e não parou mais.

Carnaúba dos Dantas: Prefeito reforça medidas no enfrentamento da pandemia e agradece parceria da população e profissionais de saúde

O prefeito de Carnaúba dos Dantas, Gilson Dantas (MDB), usou as suas redes sociais e falou sobre o aumento dos casos da Covid-19 no município, neste sábado (22). Diante da pandemia em todo o país existe uma crescente com relação ao avanço da variante ômicron e as síndromes gripais. Gilson tranquilizou a população e disse que são muitas as frentes de trabalho para conter a pandemia. “E importante dizer a nossa população que estamos e sempre estaremos preparados para recebê-los e atendê-los da melhor maneira possível”, escreveu.

Gilson Dantas, contou que a Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância Epidemiológica, tem trabalhado diuturnamente no enfrentamento da pandemia. “Tenham certeza que o Hospital Municipal, através de sua dedicada equipe estará sempre a disposição de todos os carnaubenses e dando o seu melhor. São profissionais que arriscam suas vidas para atender e proteger a população sempre”.

Ainda no comunicado o chefe do executivo municipal falou da importância da vacinação e pediu o apoio da população para unidos vencerem este momento pandêmico. “Quero enfatizar a importância da vacinação para o controle da doença e de seus sintomas, observamos neste contexto, dessa nova onda, que as pessoas vacinadas têm sintomas muito mais leves. Pedimos também o apoio às pessoas com sintomas para que cumpram o isolamento social orientado pela equipe, cuidem de vocês e dos outros, isso é empatia e amor”, disse.

A Prefeitura de Carnaúba dos Dantas, através da Secretaria Municipal de Saúde, vem realizando um trabalho sério e com comprometimento, as ações são diárias, dentre elas avaliação e/ou testagem em pacientes sintomáticos, acompanhamento dos casos positivados e prescrição e distribuição de medicamentos. A equipe de saúde vem incentivando e conscientizando a população com relação a importância da vacinação, além de manter uma equipe de enfermagem e médico plantonista 24 horas, de segunda a segunda.

 

domingo, 2 de janeiro de 2022

TV FLASH TOTAL mais saúde

Iniciar o ano com uma postagem para servir de inspiração e motivação nesse novo período que inicia, o depoimento do atleta Diego Hypolito de como lidou e superou a depressão, uma "prova" que qualquer um pode ter problemas dessa "natureza", e ao mesmo tempo todos possuem a capacidade de superar tais "obstáculos".

Por que sofreu a depressão?

Diego Hypolito tem uma carreira conturbada, com frustrações olímpicas que terminaram em choro tanto em 2008 como 2012. Já mais velho, em 2013, foi demitido do Flamengo e obrigado a mudar de cidade: passou a treinar pelo Pinheiros, em São Paulo. A mudança fez mal ao atleta, que relatou ao UOL Esporte ter sentido o baque da diferença do estilo de vida carioca para o paulista.

Neste período de 15 meses, Diego teve depressão chegou a ser hospitalizado e perdeu 10 kg. Ansiedade e medos de atividades comuns eram corriqueiros na vida do ginasta, como entrar no elevador ou no carro. O atleta tomava antidepressivos e demorou para se reerguer.

Como superou?

Em entrevista ao Esporte Espetacular, da Rede Globo, o ginasta citou que fez uma avaliação interna do que acontecia consigo e foi buscar ajuda. Passou por terapia e chegou a ficar duas semanas internado em tratamento. Foi então que decidiu enfrentar os problemas de cabeça erguida para retomar a confiança e ser feliz.

Diego também percebeu que precisava de uma rotina mais saudável e se mudou para São Bernardo, em 2014, em busca de uma cidade menos "louca" e acelerada - além de estar a 40 minutos da praia. A mudança para São Bernardo foi um fator vital para Hypolito, mas uma equipe toda por trás ajudou o atleta: psicólogo, nutricionista, empresário, assessor, família...

Fonte: noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2016/09/19/eles-tiveram-depressao-e-medalharam-como-atletas-lidaram-com-a-doenca.htm

Postagem de: Cirilo Neto

Tenha acesso a outros conteúdos como esse através do link:instagram.com.br/projetosolucaomental

 

Carga de energia deve ter aumento de 1,8% em janeiro, estima o ONS

O boletim do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), divulgado quinta (30), sinaliza aumento de 1,8% para a carga de energia (resultado da soma do consumo mais as perdas na rede) no Sistema Interligado Nacional (SIN), no primeiro mês de 2022, com previsão de 73.652 megawatts (MW) médios.

Três subsistemas indicam expansão, sendo a maior (5,8%) para a região Norte, com 5.922 MW médios; seguido pelo Sul, com aumento de 5,5%, chegando a 13.608 MW médios. No Nordeste, a carga sobe 2% e atinge 11.999 MW médios, enquanto o subsistema Sudeste/Centro-Oeste permanece estável, com 42.123 MW médios e avanço nulo.

As projeções de carga consideraram resultados apresentados por indicadores de diversos setores da economia. Com isso, o documento aponta que a inflação elevada, o ciclo de alta de juros e a recuperação gradual do mercado de trabalho constituem os maiores obstáculos do momento e também para os próximos meses.

Em relação à energia natural afluente (ENA), que compreende a quantidade de água recebida por uma usina hidrelétrica que pode ser transformada em energia, o boletim estimou que no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, o percentual em janeiro ficará próximo da média histórica para o mês, em 96% da Média de Longo Termo (MLT). Já no Norte, a ENA deve ser de 183% da MLT; e no Nordeste, 123% da MLT. A perspectiva no Sul é de 40% da MLT.

A previsão é de que os reservatórios no Norte e Nordeste ficarão mais cheios em janeiro. No Norte, devem atingir 85,7% de sua capacidade no final do próximo mês. No Nordeste, o alcance estimado é de 72,5%. Na região Sudeste/Centro-Oeste, o nível será de 37%, e o Sul deve registrar 34%.

Para a próxima semana operativa, o ONS prevê que o Custo Marginal de Operação (CMO) estará com seus valores variando entre os subsistemas. Nas regiões Sul e Sudeste/Centro-Oeste, a expectativa é que haja aumento de 4,85%, saindo de R$ 63,54 para R$ 66,62. Em contrapartida, no Nordeste, o CMO terá queda de 16,32%, passando de R$ 43,13 para R$ 36,09. Já no Norte, o valor de R$ 43,13% chegará a zero, indica o documento.

 

Entra em vigor o novo salário mínimo de R$ 1.212

Começa a valer, a partir deste sábado (1º), primeiro dia do ano de 2022, o novo valor do salário mínimo no Brasil, que passa a ser de R$ 1.212 por mês. A mudança foi oficializada ontem (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

O novo valor considera a correção monetária pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) de janeiro a novembro de 2021 e a projeção de inflação de dezembro de 2021, estimada pela área técnica do Ministério da Economia. No total, o aumento será de 10,18% em relação ao valor anterior, que era de R$ 1.100.

Os estados também podem ter salários mínimos locais e pisos salariais por categoria maiores do que o valor fixado pelo governo federal, desde que não sejam inferiores ao valor do piso nacional.

O novo mínimo altera o valor de cálculo de benefícios previdenciários, sociais e trabalhistas. No caso das aposentadorias e pensões por morte ou auxílio-doença, os valores deverão ser atualizados com base no novo mínimo. O mesmo vale para o Benefício de Prestação Continuada (BPC), que corresponde a um salário mínimo e é pago a idosos a partir de 65 anos e pessoas com deficiência de baixa renda. 

Cálculos das contribuições dos trabalhadores ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) também serão reajustados. Uma portaria do Ministério da Economia deverá ser publicada, nos próximos dias, com a oficialização dos novos valores.

 

segunda-feira, 27 de dezembro de 2021

Jogo beneficente amigos do Ayrton Lucas

Foi realizado na tarde deste domingo (27) no estádio municipal de futebol em carnaúba dos Dantas-RN  um jogo beneficente onde se fizeram presentes alguns influencers amigos do jogador Ayrton Lucas,o intuito era arrecadar alimentos para as famílias carentes de nossa cidade e na oportunidade ouve a reinauguração do estádio de futebol Jose Henrique Dantas que passou por uma reforma.